Quinta-feira, 22 de Novembro de 2007

Dezenas no lançamento de último Harry Potter em português

Sem fantasias e enchentes, dezenas de crianças e jovens acorreram quinta-feira à noite, em Lisboa, ao lançamento da versão portuguesa do último livro da saga do aprendiz de feiticeiro Harry Potter, que começou a ser vendido ao bater da meia-noite.

 

Ainda o relógio marcava as 23:30 e Vanessa Domingues não continha a ansiedade, na loja FNAC do Centro Comercial Colombo, para comprar «Harry Potter e os Talismãs da Morte», da escritora britânica J.K Rowling.

A jovem, de 25 anos, gosta das aventuras do jovem mágico desde que passaram para a tela do cinema.

«Os livros prendem-nos imenso, têm fantasia, magia», sustenta.

 

No entanto, quando chegou à FNAC teve uma surpresa: não havia as habituais filas de gente a aguardar a contagem decrescente para a venda da obra nem fãs mascarados como os seus heróis.

«Achei muito vazio», confessou, referindo que, no lançamento do sexto e penúltimo volume, «havia filas até à porta e o "suspense" era maior».

Até aos minutos que faltavam para a meia-noite, os fãs matavam o tempo no bar da loja, onde foi feito um pequeno jogo de animação.

 

O entusiamo só aumentou quando, aos gritos, crianças acompanhadas dos seus pais e jovens começaram a fazer a contagem decrescente: «8, 7, 6....3, 2, 1...». À meia-noite em ponto, as pilhas de livros escondidas num caixote grande preto ficaram a descoberto. Sem grande alarido, os volumes foram sendo retirados mas não esgotaram - a FNAC prevê vender mais de 30 mil exemplares.

 

Ao fim de poucos minutos, o entusiasmo refreou e os fãs foram abandonando a loja, sem sequer lerem as primeiras linhas do livro, que tem 608 páginas e custa 22 euros.

 

«Em casa vou espreitar um bocadinho, tenho o fim-de-semana para o ler, até domingo vai estar todo lido», adianta Vanessa Domingues, confessando-se «triste» por as aventuras de Harry Potter não continuarem.

 

Jorge Mesquita, 21 anos, ainda folheou as páginas iniciais do volume mas, de imediato, fechou-o, apressando o passo em direcção à saída da loja.

«Vou lê-lo em casa», afirmou, sem saber se iria começar a fazê-lo ainda durante a madrugada.

O que o agarra nas histórias do Harry Potter? «A aventura», responde.

 

Já para Isabel Valente, 15 anos, o que mais a anima nas obras de J.K Rowling é a «magia, o "suspense"», que faltou na FNAC.

«Estava pouca gente, o ambiente não correspondeu muito...», revelou, lembrando que no lançamento, em Julho, da versão inglesa, que já leu «quatro vezes», havia «filas» e «pessoas com chapéus...» à bruxa.

 

Na Estufa Fria, local escolhido pela editora Presença para o lançamento oficial de «Harry Potter e os Talismãs da Morte», faltaram igualmente os chapéus e outros adornos.

A organização do evento propunha-se recriar o ambiente da escola de magia Hogwarts, onde se passam grande parte das aventuras do jovem feiticeiro. Mas, no meio da escuridão, apenas se destacava uma mesa de «poções mágicas», onde as crianças, esquecendo o sono e as aulas na escola na manhã seguinte, se entretinham duas horas antes da meia-noite, hora do lançamento do livro, a tocar em bolas de vidro e a observar pipetas coloridas.

 

Em fundo, os ruídos fingidos de madeira velha a ranger no jardim, pouco assustadores, confundiam-se com a música electrónica de um amplo recinto com «comes e bebes», onde os mais novos tiravam fotografias frente a meros painéis que reproduziam as capas dos livros de Harry Potter.

 

No cenário, somente os figurantes se evidenciavam pelas suas capas pretas com capuz, já que as dezenas de fãs mais pequenos que esperavam comprar o livro trajavam as roupas do dia-a-dia.

 

Fonte: http://diariodigital.sapo.pt/

 


publicado por misterius_girl às 18:46
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 23 de Julho de 2007

Harry Potter vendeu milhares em hora e meia em Portugal

O derradeiro «Harry Potter», lançado sexta-feira em livrarias portuguesas, foi «uma festa» que vendeu em apenas hora e meia cerca de três mil exemplares nas lojas FNAC, disse à Lusa um responsável da empresa.

 

Várias livrarias portuguesas permaneceram abertas após as 00:00 de hoje para assinalar o lançamento da versão inglesa do derradeiro livro da saga do jovem feiticeiro «Harry Potter», um fenómeno literário que fascina milhares de crianças e adultos em todo o mundo.

O livro, intitulado «Harry Potter and the Deathly Hollows», surge dez anos depois da autora britânica Joanne K. Rowling ter criado a história do pequeno feiticeiro, em Junho de 1997, e tal como em outros países, gerou uma enorme afluência de crianças, jovens e adultos às livrarias portuguesas.

«Foi um dia de festa à volta de um livro fantástico que atraiu cerca três mil pessoas, muitas delas trajadas a rigor, e que se prolongou aproximadamente até à 01:30 da madrugada de sábado», disse hoje à agência Lusa o director da loja da FNAC do Centro Comercial Colombo, em Lisboa, Nuno Pardalejo.

Acrescentou que a afluência para comprar a versão inglesa «foi igual às registadas nos lançamentos das anteriores versões em português».

«Mesmo em inglês, o facto de ser o último livro da saga torna-o imperdível», afirmou Nuno Pardalejo, adiantando que, em Portugal, as lojas da FNAC encomendaram um total de «vinte mil exemplares» e que «em hora e meia se conseguiu vender 12 a 15 por cento do stock existente».

«O livro só começou a ser vendido à meia-noite. Mesmo assim houve pessoas que chegaram logo de manha e que esperavam ansiosas para poder arrecadar o primeiro exemplar deste livro», acrescentou o responsável.

Segundo Nuno Pardalejo, a afluência de inúmeras famílias com crianças, mas também de jovens e adultos demonstra que o livro «não é apenas para os pequenos» e que se trata de um fenómeno que «abrange várias gerações».

«Vim de propósito para comprar o último livro porque se trata de uma história fascinante, muito bem escrita e que se lê bastante bem», disse à Lusa Hugo Costa de 29 anos, acrescentado que prefere «comprar a versão inglesa porque além de sair mais cedo, é mais fiel ao que foi escrito».

«É uma história diferente, escrita para todas as idades e totalmente fora da realidade porque nos remete para um mundo fascinante», afirmou, por sua vez, Rita Henriques, 26 anos.

Sobre o preço do livro (22,95 euros), a maioria das pessoas questionadas pela Lusa na loja da FNAC afirmaram não ser muito barato, mas não exageradamente caro.

Outra livraria que só fechou as suas portas de madrugada para vender as versões infantil e adulta do livro foi a Livraria Barata, na Avenida de Roma, Lisboa.

«Ontem [sexta-feira] estivemos abertos até à meia-noite e meia para vender o fenómeno do Harry Potter», disse à Lusa a gerente da Livraria, Elsa Barata, acrescentando que a versão inglesa do livro «superou as expectativas e vendeu-se muito bem».

«As nossas expectativas foram superadas. A versão inglesa vendeu-se tanto como as versões em português costumam vender», afirmou a responsável, explicando que de um total de 70 exemplares encomendados, «já só restam dez, pelo que vai ser necessário reforçar o stock para a próxima semana».

Questionada pela Lusa sobre o perfil das pessoas que compraram o livro, a responsável disse que, por se tratar de um livro em inglês, foram «sobretudo famílias com crianças acima dos 13 anos, mas também adultos».

Os seis anteriores volumes da saga venderam mais de 300 milhões de exemplares em todo o mundo, foram traduzidos em mais de 60 línguas e estiveram na base de cinco adaptações para o cinema.

Em Portugal, os seis livros venderam 1,3 milhões de cópias, segundo dados da Editorial Presença, que ainda não decidiu qual será o título português deste último volume da saga, cuja versão está prevista para Outubro.

 

Fonte: http://diariodigital.sapo.pt

sinto-me:

publicado por misterius_girl às 21:13
link do post | comentar | favorito

Lançamento 'explosivo' do último livro de Harry Potter

Uma bomba foi desactivada na noite de sexta para sábado numa viatura junto de um centro comercial de Carachi, onde se apinhava uma multidão para adquirir o último livro da série «Harry Potter»

Depois de um telefonema anónimo, «a polícia fez fracassar um atentado com viatura armadilhada» no parque de estacionamento de um dos maiores centros comerciais da capital económica do Paquistão, disse à AFP o chefe da polícia judiciária da cidade, Manzoor Mughal.

Mughal informou que uma bomba de 10 quilos, cuja natureza não precisou, estava dissimulada no interior de uma automóvel roubado.

«É muito provável que a sua colocação esteja ligada ao lançamento do livro e teria matado muitas pessoas se a bomba tivesse rebentado» , disse.

Os grossos romances em torno da figura de Harry Potter são motivo de muitos estudos sobre a sua popularidade junto de uma juventude mundial cada vez menos inclinada à leitura de livros.

O sétimo livro da série Harry Potter atingiu instantaneamente, à meia-noite inglesa, o primeiro e o segundo lugar de vendas (versão infantil e versão adultos, respectivamente), na maior distribuidora mundial de livros, Amazon.com.

Para tal, bastou activar os mais de 2,2 milhões de ordens de compra de que estavam registadas há dias naquela distribuidora.

Harry Potter and the Deathly Hallows, de Joanne K. Rowling, conseguiu, literalmente num instante, vender mais exemplares do que qualquer outro título disponível ao longo de anos na Amazon britânica.

Em todo o mundo, Portugal incluído, à meia-noite local, o livro começou a ser vendido, nas versões infantil e adulta e áudio, gerando uma afluência festiva de jovens, muitos deles trajados ao estilo dos jovens feiticeiros que figuram nos romances de Joanne K. Rowling.

Portugal não fugiu à regra, nomeadamente nas lojas FNAC, que reabriram à meia-noite, tendo logo ficado congestionado o ‘call center’.

Já os seguidores japoneses da saga de Harry Potter parecem ter decidido esperar pela tradução do sétimo livro da série. A livraria Maruzen, no bairro central de Marunouchi, em Tóquio, que contratou um apresentador norte-americano para o lançamento, viu, decepcionada, uma afluência de apenas 20 pessoas para adquirirem versão original inglesa. Em Osaka foi pior. Apenas duas pessoas apareceram a comprar o livro.

Segundo a agência japonesa Kyodo, os leitores nipónicos vão ter de aguardar entre 10 a 12 meses para lerem a tradução do livro de Joanne K. Rowling.

 

Fonte: http://sol.sapo.pt/

sinto-me: não imaginava uma cena dessas!

publicado por misterius_girl às 20:44
link do post | comentar | favorito

»link me

»mais sobre mim


» ver perfil

» seguir perfil

. 17 seguidores

»pesquisar

 

»Janeiro 2008

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


»Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

»posts recentes

» Dezenas no lançamento de ...

» Harry Potter vendeu milha...

» Lançamento 'explosivo' do...

»arquivos

» Janeiro 2008

» Dezembro 2007

» Novembro 2007

» Outubro 2007

» Setembro 2007

» Agosto 2007

» Julho 2007

» Maio 2007

» Abril 2007

»tags

» todas as tags

»Ficha técnica

»participar

» Queres fazer parte deste blog? Clica aqui.

»Contacto

Para entrar em contacto comigo adiciona/envia um e-mail para hprocks_@hotmail.com

»visitantes

web site hit counters
Charter High Speed Internet

»TopSites

Potterish Top Sites Profeta TopSites

»Parceiros

PotterNews a tua dose diária de Harry Potter!

»subscrever feeds